Por que os livros Apócrifos não são verdadeiros?

Por que os livros Apócrifos não são verdadeiros?

“Eu vos exorto, pois a ver com benevolência, e a empreender esta leitura com uma atenção particular e a perdoar-nos, se algumas vezes parecer que, ao reproduzir este retrato da soberania, somos incapazes de dar o sentido (claro) das expressões”.

Que acham das palavras acima? Inspirariam confiança de que seu autor ou autores foram inspirados por Deus para redigir um livro que lhes sirva para o “ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça”? Pois bem, elas constam da introdução ao livro apócrifo (ou deuterocanônico) de Eclesiástico, que consta das Bíblias católicas mas não foi aceito pelos judeus palestinos, zelosos preservadores dos ensinos bíblicos que não estiveram sujeitos às influências helenizantes dos judeus de Alexandria, muitos dos quais (mas não todos) acatavam tais livros como de origem divina, como Palavra de Deus.
O apóstolo Paulo referiu-se aos judeus como tendo tido o privilégio de serem os “portadores dos oráculos divinos” (Rom. 3:2). Contudo, o referido prólogo é “um auto-reconhecimento da falibilidade humana”, como refere o estudo abaixo transcrito.
Mas isto não é tudo quanto nos motiva a rejeitar esses livros adicionados à Bíblia católica por não preencherem os critérios de obras que realmente reflitam as verdades eternas. Afinal, Jesus Cristo referiu-Se à Bíblia Sagrada na Sua oração sacerdotal a Seu Pai dizendo: “Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade” (João 17:17). Como poderiam obras cheias de conceitos que se chocam com os claros ensinos de apóstolos e profetas, além de crendices supersticiosas, lendas, inexatidões históricas e até mentiras qualificar-se como essa verdade de divina inspiração?
Vejamos mais alguns problemas que impedem a aceitação por parte dos evangélicos desses livros usados pelos católicos quando lhes convém, para defender algumas estranhas doutrinas, como o purgatório e a oração pelos mortos. Para os adventistas, nem se faz necessário particularizar tais ensinos heréticos pois estão abrangidos no erro básico da imortalidade da alma, uma noção derivada dos conceitos dualistas do paganismo, gnosticismo e dos filósofos gregos, como Platão e Aristóteles. Felizmente, crescente número de eruditos evangélicos e até católicos já têm vindo engrossar o coro de vozes dos que protestam contra esses erros, produzindo obras especializadas em que a correta visão bíblica da condição de imortalidade condicional do homem tem sido ressaltada.
Aliás, toda a problemática de aceitação da canonicidade desses livros envolve exatamente o grande centro da cultura grega no Oriente, a cidade de Alexandria. Os judeus ali sofreram grande influência da filosofia grega, e houve até um destacado intelectual judeu, Filo, que se empenhou por fundir o judaísmo com os conceitos gregos, que o empolgavam.
Mas, vejamos alguns detalhes dos problemas com esses livros, que serão discutidos em maiores pormenores no texto abaixo. A primeira parte referente aos Apócrifos (relativa ao Velho Testamento).


As deficiências dos livros Apócrifos.

Os Livro Apocrifos dentre outras deficiencias apresentam as seguintes:

-->
1 - Os apócrifos não reivindicam ser proféticos.
2 - Contêm erros históricos (ver Tobias 1:3-5 e 14:11) e graves heresias, como a oração pelos mortos (2 Macabeus 12:45,46; 4).
3 - Embora seu conteúdo tenha algum valor para a edificação nos momentos devocionais, na maior parte se trata de texto repetitivo; são textos que já se encontram nos livros canônicos.
4 - Há evidente ausência de profecia, o que não ocorre nos livros canônicos.
5 - Os apócrifos nada acrescentam ao nosso conhecimento das verdades messiânicas.
6 - O povo de Deus, a quem os apócrifos teriam sido originalmente apresentados, recusou-os terminantemente.
7 - A comunidade judaica nunca mudou de opinião quanto aos livros apócrifos. Alguns cristãos têm sido menos rígidos e categóricos; mas, seja qual for o valor a eles atribuído, fica evidente que a igreja como um todo nunca aceitou os livros apócrifos como Escrituras Sagradas.

Quando a Igreja Católica Romana se refere ao cânon do Velho Testamento, ela inclui uma série de livros que os protestantes chamam de “Apócrifos” mas os católicos de “Deuterocanônicos”, os quais não aparecem nas versões evangélicas e hebraica da Bíblia. O resultado disto foi que na opinião popular dos católicos existem duas Bíblias: uma católica e a outra protestante. Mas semelhante asseveração não é certa. Só existe uma Bíblia, uma Palavra (escrita) de Deus. Em suas línguas originais (o hebraico e o grego), a Bíblia é uma só e igual para todos. O que nem sempre é igual são as versões ou traduções dela aos diferentes idiomas. Neste estudo iremos mostrar porque nós, cristãos evangélicos, não aceitamos os chamados, “Livros Apócrifos”, e conseqüentemente rejeitamos com provas sobejas, as alegações romanistas de que tais livros possuem canonicidade e inspiração divina.
Há quinze livros chamados apócrifos (catorze se a Epístola de Jeremias se unir a Baruque, como ocorre nas versões católicas de Douai). Com exceção de 2 Esdras, esses livros preenchem a lacuna existente entre Malaquias e Mateus e compreendem especificamente dois ou três séculos antes de Cristo.


Como os Apócrifos foram aprovados?


A Igreja Romana aprovou os apócrifos em 8 de Abril de 1546 como meio de combater a Reforma protestante. Nessa época os protestantes combatiam violentamente as doutrinas romanistas do purgatório, oração pelos mortos, salvação pelas obras, etc. Os romanistas viam nos apócrifos base para tais doutrinas, e apelaram para eles aprovando-os como canônicos.
Houve prós e contras dentro dessa própria igreja, como também depois. Nesse tempo os jesuítas exerciam muita influência no clero. Os debates sobre os apócrifos motivaram ataques dos dominicanos contra os franciscanos. O biblista católico John L. Mackenzie em seu “Dicionário Bíblico” sob o verbete, Cânone, comenta que no Concílio de Trento houve várias “controvérsias notadamente candentes” sobre a aprovação dos apócrifos. Mas o cardeal Pallavacini, em sua “História Eclesiástica” declara mais nitidamente que em pleno Concílio, 40 bispos dos 49 presentes travaram luta corporal, agarrado às barbas e batinas uns dos outros. . . .
Foi nesse ambiente “ESPIRITUAL”, que os apócrifos foram aprovados. A primeira edição da Bíblia católico-romana com os apócrifos deu-se em 1592, com autorização do papa Clemente VIII.

Os Reformadores protestantes publicaram a Bíblia com os apócrifos, colocando-os entre o Antigo e Novo Testamentos, não como livros inspirados, mas bons para a leitura e de valor literário histórico. Isto continuou até 1629. A famosa versão inglesa King James (Versão do Rei Tiago) de 1611 ainda os trouxe. Porém, após 1629 as igrejas reformadas excluíram totalmente os apócrifos das suas edições da Bíblia, e, “induziram a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, sob pressão do puritanismo escocês, a declarar que não editaria Bíblias que tivessem os apócrifos, e de não colaborar com outras sociedades que incluíssem esses livros em suas edições”. Melhor assim, tendo em vista evitar confusão entre o povo simples, que nem sempre sabe discernir entre um livro canônico e um apócrifo e também pelo fato do que aconteceu com a Vulgata! Melhor editá-los separadamente


34 comentários:

  1. muito interessante... Aumentou em muito o meu conhecimento. É bom ressaltar q a igreja catolica nao tinham esses livros na biblia e so os introduziram por causa dos ptostestantes. Assim a conclusao q tenho é: eles de slguma forma sabem q isso é errado e simplemente ignoram a verdade. E quanto aos livros digo: examinai tudo e retem so o q é bom!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No trecho 3 esta escrito "Embora seu conteúdo tenha algum valor para a edificação nos momentos devocionais, na maior parte se trata de texto repetitivo; são textos que já se encontram nos livros canônicos."
      Então no evangelho onde muitas passagens são contadas por diferentes pessoas (Mateus, Marcos, lucas e João) se deve eliminar esses veículos? por se referirem a mesma coisa?

      Excluir
    2. A Bíblia de Gutenberg é o incunábulo impresso da tradução em latim da Bíblia, por Johann Gutenberg, em Mainz, também conhecida em português como Mogúncia, Alemanha. A produção da Bíblia começou em 1450, tendo Gutenberg usado uma prensa de tipos móveis. Calcula-se que tenha terminado em 1455.1 Essa Bíblia é considerada o incunábulo mais importante, pois marca o início da produção em massa de livros no Ocidente.
      Uma cópia completa desta Bíblia possui 1282 páginas, com texto em duas colunas; a maioria era encadernada em dois volumes. A Bíblia contém 73 livros, dividida em Antigo Testamento e Novo Testamento.
      Acredita-se que 180 cópias foram produzidas, 45 em pergaminho e 135 em papel. Elas foram impressas, rubricadas e iluminadas à mão em um período de três anos.

      ui
      Mas trento não foi em 1564?... Nesta altura enganaram-se pois devia de ter 66 e não 73 rsssssssss

      Excluir
    3. AI DA QUELE ACRECENTAR OU TIRA UM TIO DA PALAVRA DE DEUS.NO DIA DO JUIZO TODOS MORTOS DA CONTA DOS SEUS MORTOS OU SEJA DARA CONTA DAS SUAS ATITUDE

      Excluir
  2. Alem disto,estes livros so passaram a ser rejeitados pelos rabinos fariseus em Jamnia em 90 DC.Durante quase 300 anos foram utilizados pela comunidade judaica.

    Veja que a citação "Eis que uma virgem conceberá",não estava originalmente presente na versão hebraica-aramaica da Biblia.Esta frase aparece pela primeira vez na Septuagina(a versão dos 70 sabios judeus)que traduziram a Biblia para o idioma grego por volta do terceiro seculo AC.

    O canone de Jamnia foi muito contestado pelos judeus no Egito(muitos judeus que vivem lá ate hoje usam a septuagina), os judeus etiopes tambem usam estes livors que vcs rejeitam.

    Alem disto,quase todos os autores cristãos dos primeiros seculos aceitavam tais livros.Ex Dionisio Aeropagita,Clemente I e antos outros.

    Até hoje a Igreja Ortodoxa que separou da comunhão com a Igreja Catolica no Ocidente em 1054 usa a Biblia com 73 livros.Dai que falar que so no Concilio de Trento a Igreja Catolica aceitou estes 7 Livros é muito desconhecimento de sua parte.

    ResponderExcluir
  3. Meu comentario acima foi cortado e ficou meio sm sentido.
    Contesto o argumento d que somente no sex XVI a ICAR aceitou OFICIALMENTE OS DEUTEROCANONICOS QUE VCS DIZEM SER APOCRIFOS.

    Em 382, um concilio presidido pelo papa Damaso I oficializou 99% a Biblia como é usada hoje pelos catolicos.

    Em 393, um conclio em Hipona,na Africa deu a versao definitiva,enviando uma copia pra Roma pra pedir a chancela da Igreja Sede.

    Então que diz que foi no Concilio de Trento ou foi ENGANADO OU QUER ENGANAR

    ResponderExcluir
  4. Alem do mais dizer que o povo judeu nunca aceitou os pretensos "apócrifos" é uma das maiores mentiras que já vi alguém publicar.
    Foi a comunidade israelita que vivia em Alexandria que fez tal inclusão.Então a não ser que vcs me provem que eles não eram descendentes de Abraão e praticantes do judaísmo não podem falar que não faziam parte do povo judeu.

    Até hoje os judeus da Etiópia usam os 7 livros que constam na Bíblia Católica.Na época em que o concilio fariseu de Jamnia cortou estes livros a comunidade judaica do Egito PROTESTOU E SE RECUSOU A ACATAR TAL DECISÃO.

    Se lessem autores como Clemente I de Roma (bispo em 90 DC) e Agostinho de Hipona vcs bem saberiam que os deuterocanônicos eram usados pelos cristãos primitivos e bem poucos os rejeitavam.

    No fundo o que querem é mais um pretexto pra tentar justificar o erro de Lutero e atacar levianamente a Igreja Católica.

    Ps: a primeira Biblia a ser impressa foi por iniciativa de Gutemberg em 1453,se ALGUEM OLHAR OS EXEMPLARES QUE ATÉ HOJE SÃO GUARDADOS EM MUSEUS VÃO VER QUE SE TRATA DE BIBLIA CATOLICA.ENTÃO NÃO MINTAM DIZENDO QUE SOMENTE EM 1592 COMEÇARAM A SER EDITADAS POR ORDEM DO PAPA.

    luteroé que teve que retirar os livros da Biblia porque sabia que desmentiam parte de suas mentiras hereticas protestantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ok, agora, quais são as mentiras heréticas protestantes?

      Excluir
  5. Toda concepção ideologica do cristianismo primitivo é sem sombra de duvida irrepreensivel em todo o seu contexto.
    Seguir o cristianismo primitivo é uma tarefa árdua e para poucos,pois ser cristão verdadeiro é se doar de corpo e alma de forma desmedida primeiramente a DEUS e depois ao proximo,é amar sem fronteiras ,é perdoar sem medidas,e ser totalmente paciente nas adversidades,é ter completo desapego as materialidades,é ser verdadeiramente temente a DEUS,e permanentemrnte agradecido pela oportunidade de viver por Sua graça e misericordia.
    Agora sejamos sinceros e reflitamos ,independentemente de nomenclatura e religião consegue ser essencialmente discipulo de JESUS CRISTO.
    Qual dos ensinamentos de Cristo a seus pupilos q não cabe aos "cristãos de hoje seguir.
    Dizer-se cristão e não praticar é o mesmo q dizer q ama uma pessoa e matá-la.
    Amar verdadeiramente é se doar independentemente das circuntancias,cultivar o amor é valorizar mais a quem ama do q a si mesmo e esse é o resl sentido do cristianismo primitivo,q infelizmente está perdido em seus primordios.


    QUE DEUS TENHA MISERICORDIA DE NOSSA INTOLERANCIA E NOS CONCEDA SABEDORIA PARA VERDADEIRAMENTE NOS TORNAR MERECEDORES DE SUA GRAÇA , QUE O VERDADEIRO EXEMPLO DE AMOR VOLUNTARIOSO E DESMEDIDO POSSA RECHEAR NOSSOS CORAÇOES E MENTES PARA ASSIM SENDO TERMOS CONDIÇOES DE DENOMINARMOS CRISTÃOS.
    AMEM....



    ResponderExcluir
  6. Boa tarde, sou Católico e acho interessante as opiniões de quem escreve os artigos para este site. No entanto, vi neste e em outro artigo, me desculpe o termo, certas "artimanhas" para enganar os Católicos menos estudados de sua fé.
    Bom, estava particularmente interessado nos livros deuterocanônios, pois bem, neste artigo vocês citam a seguinte frase: "A Igreja Romana aprovou os apócrifos em 8 de Abril de 1546 como meio de combater a Reforma protestante." sinto lhe informar, isto é um erro grave, uma frase e mentira que tenta induzir cristãos a crer nos que vocês quererm que eles creia. Bom, já que falamos de História, vamos desmarcarar esta mentira citando apenas 2 acontecimentos. O sínodo de Laodicéia em 360 d.C. defendeu o Cânon Bíblico com 73 livros, e o Concílio de Roma no ano de 382 d.C. promulgou que a bíblia deveria conter 73 livros e não 66. Deuterocanônicos significa "de segundo cânone" isso pq em 325 d.C. o cânone era de 66 livros, porém os demais 7 eram usados à parte. E, em 382 d.C. os outros 7 livros foram incluídos num segundo cânon, por isso o nome "deuterocanônico" de segundo cânone.
    Não espalhem suas mentiras perniciosas e de cunho completamente protestante ao invés de promover a verdade!
    Em um outro artigo vocês citaram o que nós chamamos de Igreja Primitiva (de Pentecostes até o ano 325 d.C. com o Concílio de Nicéia) e os Pais da Igreja (cristãos do ano de 325 d.C. até o final so século VII), o curioso é, vocês procuraram a Tradição Católica para justificar a não aceitação de Maria, pois bem, citem Orígenes, Agostinho e outros por completo e a verdade é que teremos um sentido mto diferete do difundido por este site. Ademais, vocês não acreditam na Sola Scriptura e negam que outros pilares da fé como a Tradição e o Magistério da Igreja?
    Que mentira que vcs pregam hein!!! A grande verdade, é que vcs se apegam no que mais lhes convém. Como vcs sabem que se analisar a Tradição as convicções de vcs caem por terra, então pegam trechos isolados para defenderem o que querem, e se citarmos algo que desmascarem vcs, aí vcs voltam com o antigo discurso "sola scriptura, por favor!"
    HIPÓCRITAS!!!!!!!
    Paz de Cristo e o amor de Maria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá Amaury! Boa colocação no seu comentário, porem não entendi lendo os livros deuterocanonicos qual o fundamento da adoração e crença na intercessão de Maria! Pode me explicar?

      Excluir
    2. Bem, se o irmão Amaury não puder explicar, eu explico:

      Não há fundamento Bíblico. Esta falsa doutrina foi inspirada por Satanás. O próprio Jesus disse que os seus servos fieis seriam mais bem aventurados do que própria Maria, sua mãe biológica.

      Vejamos o que diz a Palavra de Deus em Lucas 11:27-28:

      "E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamastes (Maria). Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam".

      Com sinceridade expresso meu sentimento de Amor em Cristo Jesus a todos os irmãos Católicos. O Espírito Santo é testemunha de que não tenho pretensões de levantar debates ou quaisquer outros argumentos racionais e persuasivos. Desejo apenas alertar a todos os cristãos (católicos e evangélicos) que abandonem os dogmas religiosos (lembrando que muitas igrejas evangélicas também possuem dogmas contrários a palavra de Deus).

      Amados, fui um verdadeiro católico por 21 anos. Fui coroinha, instrumentista, líder de pastoral, fiz primeira comunhão, crisma, etc...

      Entretanto, um dia eu tive um encontro com Jesus e com a sua palavra. Não um jesus histórico, derrotado na cruz, mas um Jesus Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Um Jesus que não divide sua Glória com outrem, conforme dito pela boca do profeta Isaías: "Eu Sou o Senhor; este é o meu nome; a minha Glória pois a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura" (Isaías 42:8).

      Amados, este Jesus que lhe apresento só se conhece por meio de sua Palavra, por que ele mesmo é a Palavra (Verbo que se fez carne), conforme escreveu João em um de suas cartas: "Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um" (I João 5:7).

      É importante frisarmos que Jesus (Deus) não se originou em Maria. Ele (Jesus) sempre existiu na Glória de Deus, e seu nome na eternidade é "Palavra" (Verbo). João assim escreveu no seu evangelho: "No princípio era oi Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele (Jesus, a palavra), e sem ele nada do que foi feito se fez" (João 1:1-3). O próprio João quando estava na ilha de Patmos, ao ver o Senhor Jesus Glorificado assim descreveu: "E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus" (Apocalipse 19:13).

      Assim, conclui-se que Maria, é sim, mãe do Jesus que se fez homem. Entretanto, Maria JAMAIS será mãe de Deus, pois Deus não tem e nunca teve mãe, pois quando Maria nasceu Deus já existia. A própria Maria se declarou pequena e necessitada de salvação: "A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador" (Lucas 1:46-47).

      Quanto aos livros Apócrifos ou Deuterocanonicos, vocês mesmos poderão tirar suas conclusões. Para que a Bíblia possa receber o título de "Palavra de Deus" Jesus precisa está revelado nela. Se não houver teor profético não há revelação de Jesus. Logo, a "Palavra de Deus" só possui 66 livros. Veja que mesmo o livro de Cantares, que muitos denominam de livro poético (há quem diga erótico), está repleto de profecias a respeito de Jesus (Noivo, Esposo, Amado) e de sua Igreja (Noiva, Esposa, Amiga, Irmã, Amada).

      Por fim, gostaria de deixar claro que não tenho nada contra os católicos. Pelo contrário, as pessoas que eu mais amo nesta vida depois de Cristo(meus familiares e alguns amigos) ainda estão integrados nesta instituição. Só peço que leiam mais a "Palavra de Deus", orem mais, Jejuem mais, e peçam a Deus Pai, em nome de Jesus, que lhes revelem o projeto Maravilhoso que ele tem para cada um de vós.

      Buscais ao Senhor enquanto ele ainda está perto. Haverá um dia em que muitos procurarão o Senhor, mas não mais o acharão.

      Excluir
    3. Bem, se o irmão Amaury não puder explicar, eu explico:

      Não há fundamento Bíblico. Esta falsa doutrina foi inspirada por Satanás. O próprio Jesus disse que os seus servos fieis seriam mais bem aventurados do que própria Maria, sua mãe biológica.

      Vejamos o que diz a Palavra de Deus em Lucas 11:27-28:

      "E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamastes (Maria). Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam".

      Com sinceridade expresso meu sentimento de Amor em Cristo Jesus a todos os irmãos Católicos. O Espírito Santo é testemunha de que não tenho pretensões de levantar debates ou quaisquer outros argumentos racionais e persuasivos. Desejo apenas alertar a todos os cristãos (católicos e evangélicos) que abandonem os dogmas religiosos (lembrando que muitas igrejas evangélicas também possuem dogmas contrários a palavra de Deus).

      Amados, fui um verdadeiro católico por 21 anos. Fui coroinha, instrumentista, líder de pastoral, fiz primeira comunhão, crisma, etc...

      Entretanto, um dia eu tive um encontro com Jesus e com a sua palavra. Não um jesus histórico, derrotado na cruz, mas um Jesus Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Um Jesus que não divide sua Glória com outrem, conforme dito pela boca do profeta Isaías: "Eu Sou o Senhor; este é o meu nome; a minha Glória pois a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura" (Isaías 42:8).

      Amados, este Jesus que lhe apresento só se conhece por meio de sua Palavra, por que ele mesmo é a Palavra (Verbo que se fez carne), conforme escreveu João em um de suas cartas: "Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um" (I João 5:7).

      É importante frisarmos que Jesus (Deus) não se originou em Maria. Ele (Jesus) sempre existiu na Glória de Deus, e seu nome na eternidade é "Palavra" (Verbo). João assim escreveu no seu evangelho: "No princípio era oi Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele (Jesus, a palavra), e sem ele nada do que foi feito se fez" (João 1:1-3). O próprio João quando estava na ilha de Patmos, ao ver o Senhor Jesus Glorificado assim descreveu: "E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus" (Apocalipse 19:13).

      Assim, conclui-se que Maria, é sim, mãe do Jesus que se fez homem. Entretanto, Maria JAMAIS será mãe de Deus, pois Deus não tem e nunca teve mãe, pois quando Maria nasceu Deus já existia. A própria Maria se declarou pequena e necessitada de salvação: "A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador" (Lucas 1:46-47).

      Quanto aos livros Apócrifos ou Deuterocanonicos, vocês mesmos poderão tirar suas conclusões. Para que a Bíblia possa receber o título de "Palavra de Deus" Jesus precisa está revelado nela. Se não houver teor profético não há revelação de Jesus. Logo, a "Palavra de Deus" só possui 66 livros. Veja que mesmo o livro de Cantares, que muitos denominam de livro poético (há quem diga erótico), está repleto de profecias a respeito de Jesus (Noivo, Esposo, Amado) e de sua Igreja (Noiva, Esposa, Amiga, Irmã, Amada).

      Por fim, gostaria de deixar claro que não tenho nada contra os católicos. Pelo contrário, as pessoas que eu mais amo nesta vida depois de Cristo(meus familiares e alguns amigos) ainda estão integrados nesta instituição. Só peço que leiam mais a "Palavra de Deus", orem mais, Jejuem mais, e peçam a Deus Pai, em nome de Jesus, que lhes revelem o projeto Maravilhoso que ele tem para cada um de vós.

      Excluir
    4. Senhor Edvan, me custa crer que o senhor tenha sido um verdadeiro católico em 21 anos. NÃO DUVIDO QUE O SENHOR ACREDITE TER SIDO, MAS, NA PRÁTICA NÃO O FOI.

      O senhor alega ter conhecido apenas um Jesus histórico e "Morto" ali. Se Jesus estivesse morto em nossas práticas, não daríamos em toda missa seu corpo e sangue consagrado como alimento eucarístico aos fieis.
      Se na maior parte das igrejas evangélicas vcs apenas fazem o memorial da santa ceia(Onde o pão e o vinho tem apenas a presença simbólica de Cristo)e ainda assim seria injusto de minha parte falar que os senhores estão apenas recordando as ordens de um defunto.

      Sobre Maria ser mãe de Jesus e não ser mãe de Deus, percebo, que o senhor comete outro equivoco.
      Veja melhor o evangelho de Lucas: Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus.
      32Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;
      35E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.
      Isto se lê no primeiro capitulo de Lucas. A mensagem claríssima. Maria daria luz ao Filho de Deus, não ao Filho do arcanjo, a um semideus, ou o que seja.

      Ele mesmo a chama assim de Mãe do Senhor que é Deus. O mesmo é confirmado por Isabel que possuída pelo Esp Santo a chama de MÃE DO MEU SENHOR. Isabel tinha outro senhor que não fosse Javé.....

      O que muitos confundem é que o fato de Maria ser mãe de Deus não o converte em MARIA DEUSA OU DEUSA MARIA. Como mulher ela não deu Luz a Cristo na Eternidade, mas enquanto ser nascido no tempo ela é sua progenitora.

      Pois Jesus tem duas naturezas inseparáveis: ele é Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem (igual a nos exceto em pecado). Vc não pode separar as suas duas naturezas. Assim sendo Maria é mão do Divino Salvador, mas também foi por Ele criada.
      Muito me impressiona que alguém tenha ficado na ICAR por duas décadas e não tenha aprendido isto, uma verdade de fé que é ensinada a mais de 1500 anos.

      Sobre o canon

      O senhor fala que palavra de Deus tem 66 livros. O senhor Edvan fala que a leitura da Biblia tem toda a verdade. Pois se o senhor de fato crê na validade deste principio. Tudo que lhe peço para acreditar que é um Homem sincero em suas crenças é exatamente isto.
      ME MOSTRE DENTRO DE UM DOS 66 LIVROS DE SUA BIBLIA, O CANON EXPLICITADO POR ALGUM APOSTOLO, OU PROFETA OU LIVRO DA BIBLIA. JA ME CONTENTO SE O SENHOR CITAR APENAS UM VERSICULO QUE DIGA QUE SÃO 66 LIVROS.

      Se o Edvan ou qualquer outro aqui me mostrar no mais puro estilo SOLABIBLIA, ESTE CANON. Eu deixo de duvidar de vcs.

      Excluir
    5. É a primeira vez que entro aqui neste blog, e de todos os comentários que eu li, o único que eu pude sentir paz de verdade foi o do sr Edvan. Não se é preciso razões para crer. Uma vez li uma frase que dizia: Vc quer ser feliz ou ter razão? Tem muita gente querendo ter razão, mas manifesta desequilíbrio e destempero até mesmo no escrever. Percebi aqui que eu não preciso de nenhuma convicção histórica secular para acreditar, mas o redigido texto do sr Edvan, de fato me pos a sentido de muitas coisas na minha vida, espero que outras pessoas o possam ler, e a quem o questionou, releia-o, contudo, projetando um bom olhar, com impacialidade. Ser feliz é bem melhor do que querer ter razão, principalmente quando a verdadeira razão é de fato ser feliz. Alguns já possuem a felicidade (a razão) crendo sem a ver, outros ainda querem encontrá-la (razão/felicidade), vendo-a para crer.

      Excluir
  7. NÃO LEIA TOBIAS, MACABEUS, ETC...

    LEIA ENOQUE, MELQUISEDEQUE, ADÃO, NICODEMUS, ETC

    ResponderExcluir
  8. também quero saber Amaury Rezende;onde mesmo esta aliás vou alem leia então os 73 livros de sua biblia e me diga onde vocês acham respaldo biblico para a intercessão de Maria (e tantos outros nomes que dão a mãe de Jesus)fico pensando... porque sera que Jesus nunca orou ou ensinou a orar, pedindo a intercessão de Moises ou de Davi que era um homem segundo o coração de Deus e nem os aposto-los mas talves você possa ajudar me respondendo isto não???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo do dia 10 de Julho de 2013

      Vc sai do assunto sobre o canon e pergunta sobre intercessão dos santos. Ok eu não sou o ResenDde, mas vou te dar esta resposta. Agora SE O SENHOR VIER PERGUNTAR OUTRA COISA FUGINDO DESTE TEMA, NÃO MAIS RESPONDEREI, POIS FICA OBVIO QUE FAZEM DE TUDO PRA FUGIR.

      Apocalipse a partir do cap 5:

      8E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os VINTE e QUATRO anciãos PROSTARAM-SE diante do Cordeiro, TENDO TODOS eles harpas e salvas de OURO cheias de incenso, que SÃO AS ORAÇÕES DOS SANTOS .

      11E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares,

      De modo senhor anônimo que isto desmascara a farsa de se falar que os mortos estão dormindo e apenas esperando o julgamento do Dia do Juizo Final.

      E veja que os anciões estão apresentando diante do Cordeiro(Cristo) as orações dos santos.
      É isto que ensina a IGreja, os santos intercedem perante o Cristo Salvador. Este e SOMENTE ELE, pode atender os pedidos do fiel aqui na terra.

      A Carta aos Hebreus, além de confirmar que o sono, repouso ou descanso dos justos é a posse da bem-aventurança, também dá testemunho da realidade dualística do homem: alma e corpo.
      O ensinamento desta epístola é confirmado pelo salmista: “Apenas me deito, logo adormeço em paz, porque a segurança de meu repouso vem de vós só, Senhor” (Sl 4,9).
      Também ensinou o Profeta Isaías: “Porque aqui está o que disse o Senhor Deus, o Santo de Israel: É na conversão e na calma que está a vossa salvação; é no repouso e na confiança que reside a vossa força” (Is 30,15).
      Por isso que Jesus ao ressuscitar a filha do centurião (Mc 5,35-39), a filha do chefe da sinagoga (Mt 9,23-25) e Lázaro (cf. Jo 11,11-14), diz que estão dormindo. Pois, morreram na amizade de Deus. Se fossem ímpios Jesus não os ressuscitaria, pois já estariam perdidos. Mas, antes mortos e agora ressuscitados, serviriam como testemunhas da Majestade de Jesus, tanto por terem visto o Céu quanto por serem ressurretos.


      Excluir
    2. Anonimo do dia 10 de Julho de 2013

      A alma no pós morte

      Veja o que ensina o Salmo: “Este é o destino dos que estultamente em si confiam, tal é o fim dos que só vivem em delícias. Como um rebanho serão postos no lugar dos mortos; a morte é seu pastor e os justos dominarão sobre eles. Depressa desaparecerão suas figuras, a região dos mortos será sua morada. Deus, porém, livrará minha alma da habitação dos mortos, TOMANDO ME CONSIGO” (Sl 48,14-16) (grifos meus).

      Como vimos o Salmo ensina que o justo é tomado por Deus, isto é, seu destino é o Céu.
      Interessante é também notar que aqueles que citam os versículos 5 e 10 do capítulo 9 do Eclesiástico, parecem que não terminaram de ler esse livro. Com efeito, no último capítulo encontramos a confirmação do ensinamento do salmo 48: “E o pó volte à terra, como era, e o ESPÍRITO VOLTE A DEUS que o deu” (Ecl 12,7) (grifos meus).

      Vimos no Gênesis que Deus formou Adão do pó da terra e depois lhe deu o espírito. Segundo o Eclesiastes, o corpo dos mortos (pó) volta à terra e o espírito vai para Deus.

      Jesus na parábola do Lázaro e do rico (cf. Lc 16,20-31) ensina que o justo é levado à presença de Deus pelos anjos, enquanto o ímpio é jogado no inferno. Estamos falando do espírito humano, pois os dois ressuscitarão no Dia do Senhor (volta de Cristo); o primeiro para a Glória Eterna, o segundo para o Castigo Eterno.

      “Mas, cheio do Espírito Santo, Estêvão fitou o céu e viu a glória de Deus e Jesus de pé à direita de Deus: Eis que vejo, disse ele, os céus abertos e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus. Levantaram então um grande clamor, taparam os ouvidos e todos juntos se atiraram furiosos contra ele. Lançaram-no fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas depuseram os seus mantos aos pés de um moço chamado Saulo. E apedrejavam Estêvão, que orava e dizia: Senhor Jesus, RECEBE O MEU ESPÍRITO” (At 7,55-59) (grifos meus).
      Com efeito, Santo Estêvão sabia que seu espírito não estaria dormindo após sua morte.
      São Paulo também ensinou que os espíritos dos justos estão na presença de Deus: “Estamos, repito, cheios de confiança, preferindo ausentar-nos deste corpo para ir habitar junto do Senhor. É também por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-lhe” (2 Cor 5,8-9).
      Como poderiam os justos esforçarem-se para agradar a Deus após a morte se estivessem dormindo? Ou ainda, como poderiam ausentar-se do corpo e “ir habitar junto do Senhor” se o espírito dos justos não voltassem para Deus que os deu (cf. Ecl 12,7)?

      Excluir
    3. Olá anônimo, que defende a alma como entidade fora do corpo que volta para Deus... O seu problema é que ao ler espírito você já faz a associação de alma [entidade que habita o corpo], todavia é um erro crasso fazer esta associação sem levar em consideração o significado original da palavra muitas vezes traduzidas por espírito. A Bíblia AVE MARIA, por exemplo, uma tradução católica, onde aparece espírito na maioria das traduções, ela traduz como "fôlego de vida" referência direta a criação [pó da terra + fôlego de vida = alma vivente - Gn 2:7]. Recomendo para estudo mais aprofundado o livro "Antropologia do Antigo Testamento" de Hans Walter Wollf, Editora Hagnos. Neste livro o autor analisa o significado das palavras geralmente traduzidas por alma ou espírito no AT ['néfesh', 'basar' e 'ruªh']. Outro livro interessante é "Imortalidade da alma ou ressurreição dos mortos?" de Oscar Cullmann, foi uma palestra apresentada em Harvard em 1955 que virou um livreto, no mínimo intrigante. Você pode encontrar este último na internet em formato pdf.
      Se estiver disposto a aprofundar mais um pouco, recomendo também parte de uma dissertação de mestrado de Wanderley Pereira da Rosa, em especial o primeiro capítulo - “O Dualismo na Teologia Cristã: A deformação da antropologia bíblica e suas consequências” que pode ser encontrada no endereço eletrônico: http://tede.est.edu.br/tede/tde_arquivos/1/TDE-2010-03-08T103606Z-170/Publico/rosa_wp_tm214.pdf. Fique na paz!

      Excluir
    4. De onde você tirou que no texto "as orações dos santos", esses Santos são gente morta?... Os santos são os santificados pelo sacrifício de Cristo e que oram em seu nome, enquanto vivos como Paulo ensinou pra gente viva: com suplicas, intercessões e ações de graças por todos os homens e o evangelho em Timóteo ensina que Jesus é o único mediador entre Deus e os homens. E como não ha julgamento pos-morte se diz: E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo.Hebreus 9:27

      Excluir
  9. Olá pesquisadorcristão!

    Eu gosto muito do seu site. Tenho muito respeito e apreço por suas pesquisas, entretanto, no que se refere aos livros apócrifos, eu discordo de você.
    Não tem como ser breve, na minha opinião, quando o assunto é cânon, igreja primitiva, escritos sagrados, etc. Trata-se de assuntos os quais demandariam muito tempo.
    Contudo, penso ser ingenuidade acreditar que todos os eventos da Bíblia foram os únicos. O próprio evangelista João finaliza seu texto dizendo:
    "Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem"(João 21:25).
    Além disso, todo crente há de convir que há muitas lacunas nos escritos bíblicos que suscitam várias perguntas. Inclusive quando menciona a existência de livros os quais nunca sequer vimos ou saberíamos que existiram se a própria Bíblia não apontasse.

    o site abaixo elenca vários outros livros que não estão no cânone sagrado.
    http://www.rochaferida.com/2012/11/livros-biblicos-que-nao-estao-na-biblia.html

    Além de outras coisas tais como a infância de Jesus e a trasladação de Enoque.
    Sobre a citação inicial que você colocou, com o intuito de por em xeque a fidedignidade dos apócrifos, eu achei pertinente, até mesmo porque também não creio que todos os escritos tenham sido inspirados, da mesma maneira que alguns livros da Bíblia. Mas, o que você tem a dizer sobre esse versículo?
    "Como, pois, dizeis: Nós somos sábios, e a lei do Senhor está conosco? Eis que em vão tem trabalhado a FALSA PENA dos escribas"(Jeremias 8:8).
    Nos tempos de Jeremias já estavam falsificando a Torah, é isso? Por causa desse excerto perderemos nossa fé na Bíblia? E mais intrigante ainda é o versículo que diz:
    "Porque NUNCA falei a vossos pais, no dia em que os tirei da terra do Egito, nem lhes ordenei coisa alguma acerca de holocaustos ou sacrifícios." (Jeremias 7:22). Se não foi Deus, então quem deu a Torah?
    Essas e outras mais passagens curiosas nos fazem perceber que não podemos ser categóricos, radicais, beirando o fundamentalismo. Temos de ser ponderados e reconhecer que não temos todas as respostas.
    Nós, como cristãos, amamos ao nosso Senhor, INDEPENDENTEMENTE de fatos ou evidências novas. CREMOS por fé, e isso não vem de nós, conforme afirmou o apóstolo Paulo. Vem de Deus, o nosso pai. Aquele que não foi gerado por ninguém, o Todo-Poderoso.
    Com a minha singela participação, não quero questionar a sã doutrina e nem os escritos, os quais, para mim, são sagrados. A mensagem da paixão de Cristo é o mais importante!!! As demais coisas são acessórias. Fazem parte de um plano incognoscível, misterioso e brilhante do Criador.
    Eu só quero enfatizar que devemos EXAMINAR tudo, tudo o que podermos, consoante disse o apóstolo Paulo. E reter só o que for bom!
    Tenho simpatia pelos apócrifos. Há mais ou menos um ano tenho me dedicado a longas leituras, contudo, não tenho uma fé cega. Sei que há coisas a serem consideradas, logo, devemos pedir sempre a direção de Deus a fim de que não nos deixemos levar pelo encanto do conhecimento, mas há de se considerar que os apócrifos trazem aspectos culturais de séculos passados que se relacionam com a nossa "religião", devido a isso, já temos uma boa desculpa para lermos. Se vamos acreditar ou não... é uma questão de bom senso.
    Um forte abraço e que a misericórdia e graça do Senhor Jesus continue a te acompanhar.
    Respeitosamente,

    Karine.

    ResponderExcluir
  10. Adorei este site e principalmente saber que o "homem" é dotado de corpo,
    espirito e alma, faltou mais algum elemento.

    ResponderExcluir
  11. adoro esse site, mas gostaria de ver algo publicado sobre a pseudo-epigrafe de genesis e os dois livros de enoque. q a paz de Jesus esteja com vcs familia !

    ResponderExcluir
  12. Acho engraçado, nada contra mais os evangélicos conhecem mais a doutrina católica que os próprios católicos e fazem questão de estar perseguindo-a em todos os sentidos. Evangélicos gostam muito de falar da procedência de satanás que acabam se esquecendo do verdadeiro Deus poderoso, vivem com medo de Satanás mais pra quem conhece a palavra de Deus nao há o que temer na obra do mal. Outra coisa: quem somos nós megeros humanos que herdamos o engano de Adão e Eva pra dizer se esses livros foram ou não inspirados por Deus?

    ResponderExcluir
  13. Puxa vida ! Muita falta de discernimento espiritual !

    ResponderExcluir
  14. Puxa vida ! A Bíblia condena veementemente qualquer tipo de idolatria, mas os ''cegos e condutores de cegos'' simplesmente ignoram isso por uma questão de ego e vaidade de religião. Ignoram a palavra de Deus para seguir palavras de homens.
    A Bíblia condena veementemente qualquer tipo de idolatria, mas o ser humano sempre dá um jeitinho de arrumar suas desculpas esfarrapadas para não se abster dos falsos ensinamentos e continuar no engano. Tudo por uma questão de ego, e vaidade de religião. O papa tem se tornado um deus para muitos, pois desprezam a verdade para seguir um caminho de mentira.

    ResponderExcluir
  15. Bem ...

    Independente do fato dos Apocrifos não preencherem os padrões dos demais livros inclusos na Bíblia, ainda sim são de valores inestimável à historia, mais fatos representam mais evidencias...
    E podem parecer desnecessários por não cumprirem objectivamente o padrão moralístico defendido pela instituições religiosas, Mas, são enriquecedores em termos de compreensão e conhecimento, e por que não estudar e debater os mesmos? Deus nos fez a sua imagem e semelhança, e também distribuiu entre nós os seus dons, o da sabedoria, por exemplo.
    voces protagonizam debates ofensivos uns aos outros, tentando determinar quem está certo e quem está errado, refutando as ideologias como se ambos estivessem com a razão,
    e ainda não chegaram ao entendimendo que nâo é a divisão, mas sim a união que pode transformar o mundo em que vivemos atualmente, nos foi dado o livre-arbitrio então por que condenar ao proximo, se é o mesmo deus?

    ResponderExcluir
  16. se os livros apócrifos não merecem confiança, como o livro canônico de Judas cita um trecho do livro apócrifo de Enoque?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com vc, e na minha opinião, os catolicos por exemplo retiraram o livro de enoque tido como herege, com medo que soubéssemos o porque de Deus ter mandado o diluvio, afim de temermos Deus como ter medo dele, e não ter respeito. Sou defensor dos livros apócrifos até certo ponto, mais esta é minha opinião

      Excluir
  17. Independente de ser da ICAR ou Prostestantes, o mais sensato é nos inspirarmos em Jesus. Jesus citou as divisões de sua doutrina: Moisés ( lei), Profetas e Salmos. Sendo assim, acho que se for apenas para buscar conhecimento não há problema em ler os demais livros, porém nao devemos usá-los como referência de conduta.

    ResponderExcluir
  18. Temos que ser menos teologos e mais fieis , gostei do seu artigo porem agride demais outras religioes , sou Cristao protestante ,ministro da palavra e evangelista, tenho como ensinamento a palavra de Deus , mas a palavra de Deus quando lida seu o dicernimento do espirito santo pode se torna distorcida , acho que as pessoas tem que ser menos religiosas e mais cristãs,estamos voltando para o tempo dos saduceus fariseus escribas, que discutiam religiao e nem perceberam Cristo passar em frente aos seus olhos.

    ResponderExcluir

Atenção! Seus comentários estão sujeitos a moderação e filtro de palavras.

1 - Evite palavras ofencivas
2 - Comente somente sobre o tema
3 - Faça comentários relevantes
4 - Evite comentários repetitivos

Seguindo estas regras terá seu comentário publicado certamente!